Parques para Vinicius de Moraes em dia de aniversário

Por outras palavras – Vinicius de Moraes

     Nasceu há 100 anos neste dia de outubro na cidade maravilhosa. O poeta, o cronista, o dramaturgo, o músico. Inspirado e inspirador, as suas palavras são como música, os seus poemas estão povoados de amigos, de retratos de mulheres desenhados com pincéis de fascínio e paixão e iluminados pela beleza e sensualidade femininas, de vida e de alegria de a viver. Cantou também o amor com a morte e a tristeza a espreitarem, marcando o fim das alegrias e das felicidades partilhadas que se desejam eternas. Mas a eternidade, ele sabia, é frágil e provisória… Apesar disso, celebrar, festejar, com acordes musicais, com versos, crónicas repletas de poesia e duetos inesquecíveis com músicos, cantores e realizadores de cinema. A par das artes, das viagens, das cidades, dos países e das pessoas que foi conhecendo também devido à sua atividade diplomática. Em diferentes continentes. Los Angeles, Lisboa, Londres, Paris, Buenos Aires, Itália, Uruguai e México fazem parte do seu mapa pessoal.

     Foi difícil escolher um texto de Vinicius de Moraes. Tantos que podiam estar aqui para celebrar o seu aniversário por viver… Poemas que são letras de canções que moram na memória de muitas infâncias, como aqueles dentro da Arca de Noé, ou então os versos que de tão melodiosos parecem músicas ainda a compor. Outros já estiveram na boca de intérpretes que os levaram além Brasil, por esse mundo fora. Muitos depois de a “A garota de Ipanema” saltar, no seu “doce balanço”, para outros areais de praias longínquas ou imaginadas.

     Acabei por me decidir por um texto com parques dentro, onde consigo (re)ver todos os parques que visitei. Um poema que é um lugar onde encontrei as palavras certas para dizer como gosto de caminhar pelos parques. Tanto, que um dos primeiros textos do blogue foi sobre um, em Oslo (https://cartografiapessoal.wordpress.com/2011/05/21/vigeland-toda-a-vida-em-formas-de-pedra/ ). Os parques como espaço e tempo possível para a eternidade, como se as horas, os minutos que inventámos ficassem suspensos nas árvores.

.

O tempo nos parques

.

O tempo nos parques é íntimo, inadiável, imparticipante, imarcescível.

Medita nas altas frondes, na última palma da palmeira

Na grande pedra intacta, o tempo nos parques.

O tempo nos parques cisma no olhar cego dos lagos

Dorme nas furnas, isola-se nos quiosques

Oculta-se no torso muscular dos fícus, o tempo nos parques.

O tempo nos parques gera o silêncio do piar dos pássaros

Do passar dos passos, da cor que se move ao longe.

É alto, antigo, presciente o tempo nos parques

É incorruptível; o prenúncio de uma aragem

A agonia de uma folha, o abrir-se de uma flor

Deixam um frêmito no espaço do tempo nos parques.

O tempo nos parques envolve de redomas invisíveis

Os que se amam; eterniza os anseios, petrifica

Os gestos, anestesia os sonhos, o tempo nos parques.

Nos homens dormentes, nas pontes que fogem, na franja

Dos chorões, na cúpula azul o tempo perdura

Nos parques; e a pequenina cutia surpreende

A imobilidade anterior desse tempo no mundo

Porque imóvel, elementar, autêntico, profundo

É o tempo nos parques.

– Vinicius de Moraes, Antologia Poética, Dom Quixote.

.

Alguns parques que visitei, suspensos na minha memória…

Vinicius foto 1 id1Parque Plitvice, Croácia

Impossível esquecer as explosões de verdes que vi neste parque. Verdes líquidos, das águas dos lagos, verdes brancos, das quedas de água, verdes de um azul de vidro como nunca tinha visto.

Vinicius foto 2 id2 Parque Plitvice, Croácia

Tinha comprado a minha máquina fotográfica há poucos meses e percorrer este parque foi um teste à minha concentração e rapidez. Porque havia que caminhar sempre, o parque é imenso em área e queria conhecê-lo bem. Ao mesmo tempo, a paisagem natural era irresistível e fotografá-la uma tentação permanente, ao ritmo dos passos que pisavam passadiços, caminhos de terra por encostas ao lado da água, degraus e pontes.

Vinicius foto 3 id1 Parque Plitvice, Croácia

F4_Vinicius

Parque Plitvice, Croácia

Neste parque também há segredos como este, entre árvores com nomes que nem sempre conheço, contudo sei da sua beleza e do efeito que tem em mim.

Vinicius foto 5 id1Parque Maria Callas, Sirmione, Itália

Um parque com nome de alguém que adorava passear pelos caminhos arborizados que ladeiam o lago de Garda. Maria Callas frequentava Sirmione, a calma do lugar, a sombra dos ciprestes que desejava para horas mais serenas. Tinha aqui uma villa, com vista para o lago.

Vinicius foto 6 id1Sirmione, Itália

Uma das alamedas de Sirmione. Ao fundo, as águas do Garda.

Vinicius foto 7 id1Parque da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

O parque e jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Aqui, visto e desejado desde o interior do Museu que eu tanto gosto de revisitar.

Vinicius foto 8 id1Parque da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Já no exterior, um chão de um rosa surpreendente…

Vinicius foto 9 id1Parque arqueológico de Piazza Armerina, Sicília, Itália – Villa Romana del Casale

Há parques em que a História está marcada nas pedras, nas colunas, nas paredes de antigas habitações, no chão. Na Sicília visitei alguns parques assim, guardadores de templos de outras épocas, com colunas que resistiram, apesar dos séculos inclementes que entretanto passaram por elas, dos terramotos e de outras intempéries.

Vinicius foto 10 id1Parque arqueológico de Piazza Armerina, Sicília, Itália-Villa Romana del Casale

Os meus olhos pararam demoradamente perante este mosaico. Neste parque arqueológico, o tempo na História está suspenso em belíssimos mosaicos nas diversas divisões da “villa”. Aqui veem-se Ulisses e Polifemo, na cena da Odisseia em que o herói grego oferece vinho ao gigante ameaçador, sob olhar atento dos seus companheiros de aventura. Este ciclope tem três olhos na fronte, em vez de um, apenas, como é descrito por alguns autores. Dando-lhe um olhar mais humano, apesar da sua origem divina. Diz a tradição que a sua gruta ficaria na Sicília, muito próxima do vulcão Etna. Ulisses terá passado por aqui, impondo a sua perspicácia e inteligência às ameaças que ia encontrando pelo caminho.

Vinicius foto 11 id1Hyde Park, Londres

Uma das minhas memórias mais recentes que foi um regresso. Muitos anos depois da primeira vez. Lembrava-me bem do lago, do verde circundante e das várias portas de entrada. Uma memória nova a acrescentar – a obra de Sou Fujimoto, no meio das árvores, como se fosse parte delas, naturalmente. O branco da estrutura a confundir-se com o céu londrino. (Ver sobre aqui: http://www.serpentinegalleries.org/exhibitions-events/serpentine-gallery-pavilion-2013-sou-fujimoto )

Vinicius foto 12 id1Hyde Park, Londres

Estas cadeiras estavam espalhadas pelas margens do lago (que afinal é Westbourne, um afluente do Tamisa) ao dispor de quem quisesse ali permanecer. Vi gente a ler, a conversar, a relaxar, a observar…

Vinicius foto 13 id1Hyde Park, Londres

O Hyde Park tem também fontes, inúmeras, em recantos com bancos e canteiros floridos. Gostei particularmente destas figuras a lembrarem ninfas.

Vinicius foto 14 id1

Regent’s Park, Londres

Outro parque londrino. Que atravessei desde o norte, vinda de Camden Town, até alcançar Marylebone road. Apesar de ser verão no calendário, parecia que o outono já estava a percorrer a seiva das árvores e a nervura das folhas, enchendo as fotografias das suas cores.

Vinicius foto 15 id1 Regent’s Park, Londres

Chão outonal.

Vinicius foto 16 id1 Regent’s Park, Londres

Ainda o Regent’s Park com tapetes de flores, perfeitos nas suas simetrias e combinações de cores e espécies de plantas. É na verdade um espaço com o tempo suspenso – parece bem distante o tempo frenético da cidade, dos veículos que passam sempre atrasados para algum lugar, das pessoas que se deslocam até um ponto na cidade com a distância até ele memorizada nos seus passos mecânicos. Não aqui. A sensação de que todos os passos são dados como se nunca o tivessem sido.

Vinicius foto 17 id1Regent’s Park, Londres

Sobre Vinicius de Moraes, sua vida e obra, música, ver aqui: http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br

.

.

ASM

Anúncios

5 thoughts on “Parques para Vinicius de Moraes em dia de aniversário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s